Se pedirmos para alguém fechar os olhos e imaginar uma mulher de meia-idade, provavelmente enxergará uma senhora de cabelos curtos.                           E Será essa imagem que ela enxergará, não a de uma mulher de cabelos esvoaçantes, porque cortar o cabelo à medida que os anos avançam.                     É uma questão cultural.                                                                                                                   Cabelos curtos simbolizam uma nova fase na vida de uma mulher, uma fase mais recatada e retirada, nos diz a tradição.

Por que cortamos o cabelo?

A tradição, e por que não dizer, a pressão cultural, definitivamente exercem uma grande influência em nossas vidas.                                                                         Após certa idade, queremos nos esconder do mundo e o cabelo curto faz parte disso.                                                                                                                                              E ainda que tenhamos nos tornado cada vez mais independentes com o passar dos anos, há essa enorme pressão para que nossos cabelos percam o comprimento - e que nos aquietemos.

É provável que esse costume esteja associado a dogmas cristãos, no qual a mulher deve retirar-se das atividades sociais.                                                                     Ser devota à igreja e vestir roupas discretas, sem decotes ou acessórios. Imagine se isso tem lógica!

Na contramão da ditadura dos cabelos curtos, muitas mulheres acima dos 40 estão se livrando desta quase obrigação e optando por manter os cabelos longos.                                                                                                                                                   São exemplos disso as brasileiras Bruna Lombardi (63), Luiza Brunet (54), e as hollywoodianas Julianne Moore (56), Michelle Pfeiffer (57) e a cantora Stevie Nicks (67).

Embora tenhamos de admitir o fato de que um corte de cabelo curto pode fazer uma mulher parecer mais jovem, o comprimento de nossos cabelos deve ser uma escolha pessoal, não uma imposição.                                                                       A forma como você corta os seus cabelos não pode ser influenciada por uma pressão social, mas talvez, pelo seu formato de rosto.                                                   Simples assim. “Que corte fica bem em mim?”, é o que você deve ser perguntar.

O outro lado da história

À medida que envelhecemos, o cabelo torna-se frágil, mais rebelde e menos volumoso.                                                                                                                                               Cabe a nós ajustá-lo em conformidade com essas transformações.                         As regras se aplicam a qualquer idade: cabelos muito retos não combinam com rostos mais finos, e assim por diante.                                                                             Porém, se você, cinquentona/sessentona/setentona, continua com a mesma densidade de cabelo e ele complementa a sua face, não existe razão para cortá-lo, por favor!

Dicas para manter um cabelo comprido de causar inveja nas mais novas

julianne moore

 

  • Evite colorações e tratamentos químicos.
  • Resista ao calor das chapinhas e escovas constantes (uma vez na semana até vai).
  • Experimente um corte em camadas para destacar ainda mais a sua beleza.
  • Não lave o cabelo mais do que 3 vezes na semana (se possível, menos).
  • Faça tratamentos regulares com óleos essenciais e de argan.
  • Cuide da sua dieta para manter a vida e a sedosidade das madeixas.

Qual é a sua opinião a respeito deste assunto?                                                                     Você acha que as mulheres devem cortar os cabelos, ou mantê-lo independentemente da idade?                                                                                         Compartilhe seus pensamentos nos comentários!